sábado, 5 de novembro de 2011

Duas doses de geléia, por favor.

"I used to be on an endless run.
Believe in miracles 'cause I'm one.
A have been blessed with the power to survive.
After all these years I'm still alive."
I Belive In Miracles - Ramones
Dia 03/11 - Contemplando o show

A noite estava fria porem a esperada chuva não veio, mas o vento se encarregou de castigar a arquibancada meio vazia do estádio do Morumbi gelando os ossos . Um publico reduzido porem não menos ansioso e animado esperava a voz rouca de Eddie Vedder.

O frio foi levemente espantado pela banda punk X, que apesar dos seus acordes poderosos e o bem alternado vocal masculino e feminino, animou por um tempo fazendo o publico voltar ao tédio da espera em poucos minutos. Deixaram o palco por volta das 20:15 e a gana pela galera de Seattle só aumentou, mesmo embalada por musicas suaves no estilo Charlotte Gainsbourg.

20:45....21....21:10 e nada. Pearl Jam estava atrasado e o frio castigando.

21:15 começou um piano forte, as luzes do estádio ainda acesas e as pessoas começam a se olhar. A voz rouca do Eddie encheu o estádio, as luzes apagaram e Realease fez o povo enlouquecer. A arquibancada azul tremia o povo pulava e gritava, emendou com Corduroy (a musica de entrada do show de 2005) e Why Go, fazendo o publico lançar os braços em direção ao palco. Arrebatou o publico com World Wide Suicide e emendou com a recente Got Some dando uma pausa para os fãs menos interados respirarem, porem por pouco tempo já que na sequencia lançou um Even Flow, fazendo novamente a arquibancada tremer e a pista delirar.

Mostrou-se simpático tentando ler um texto em português, mas seu português chega a ser pior que seu inglês de sotaque estranho, mas fez todos admirarem a simpatia e esforço do vocal e recebeu de volta o coro “Ole, Ole Ole Ole... Pearl Jam...Pearl Jam...”
Alternando entre menos conhecidas, como Whipping, hits, como Daughter e novas como Ole e The Fixer, fecharam a primeira parte do show com Do The Evolution e Porch fazendo todos gritarem a plenos pulmões.

Eddie apresentou a banda e sairam do palco, voltando algo em torno de um minuto após para o bis com as musicas de encher a alma Elderly Woman Behind The Counter In A Small Town, Just Breathe e Come Back. Contou uma historia sobre sua relação com o Ramones e dedicou o cover I Belive in Miracles à Johnny e fechou esse bis enlouquecendo a todos com Alive.

Novamente deixaram o palco e voltaram com Comatose. Black tirou lagrimas e Better Man, particularmente, entrou diretamente no meu coração. Rearviewmirror acabou com as ultimas força do publico e já com as luzes acesas o famoso cover de Neil Yong Rockin’ in the free World fechou o primeiro dia de apresentação da banda grunge mais simpática do cenário musical, deixando a sensação de "faltou alguma coisa" já que não cantaram seu maior hit Jeremy, mas a esperança é a ultima que morre e ainda resta a apresentação de sexta.

(AVISO - Esse post será editado para ser incluida a resenha do show de sexta. Caso esteja lendo o recado, volte depois que espero já ter atualizado.)

Nenhum comentário: