quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Pedaços

" "Profeta!", eu disse, "Ente mau! - Profeta em ave e obra infernal! -
Que o Demônio ou a tormenta aqui lançou nos meus umbrais,
Nesta casa e este deserto, nesta terra, ainda desperto,
Neste encanto escuro e incerto! Dize a mim, pelos meus ais!
Há um bálsamo em Galaad? Responde a mim, pelos meus ais!"
Disse o Corvo: "Nunca mais." "
O Corvo - Edgar Allan Poe


Não sei explicar o porque, sempre tentei racionalizar as minhas reações mas a simples menção de um nome, a imagem de sua existencia e ate mesmo a felicidade que ela deixa em sua voz e olhar me reviram o estomago.
Prometi sempre estar do seu lado, prometi sempre vibrar com a sua felicidade, só que quebro a minha promessa quando se trata dela.
Talvez seja só ciumes, talvez seja o porque já vi pedaços seus espalhados ou quem sabe seja somente um ego ferido. Ou talvez seja tudo isso junto.

Abaixo minha cabeça e aceito a minha infantilidade. Peço que me perdoe, a vergonha me domina e a vontade que tenho é de fugir. Sumir. Ir para bem longe. Onde eu possa voltar a me controlar. Onde ela não exista. Onde você não exista. Sei que prometi nunca abandona-lo, mas diante a tantas promessas quebradas, quem se importa por mais uma?
Mas a fraqueza, ou quem sabe o sentimento, não me permite tal ousadia.

Vejo nela o reflexo do que não sou. Isso me agrada e ao mesmo tempo me consome.
Gostaria de não me importar.
Gostaria de manipular.
Gostaria de me ver livre.

Um comentário:

Ruh Ribeiro disse...

Sabe, acho que livres, nunca seremos. Acho que o legal da liberdade é sempre a jornada por encontrá-la, e o frio na barriga quando estamos mais perto dela. A vida pela busca em si.

Talvez seja insensato da nossa parte querer que não tenhamos fraquezas e que não façamos estupidezas. Faz parte de quem somos o tipo de fraquezas e estupidezas que carregamos. Se a gente aceitar isso, talvez fique mais leve, e talvez a gente perceba que sim, faz parte do meu show, meu amooor...

Vc conta sua história de um jeito tão bonito e tão sensível, que bom que pôde viver tudo isso.